Conecte-se conosco

Gospel

Silas Malafaia defende pastor acusado de LGBTfobia, e prega: “Homossexuais vão para o inferno”

David Eldridge está sendo investigado por LGBTfobia, após pregar que “todo homossexual tem uma reserva no inferno”

Publicado

em

Segundo Silas Malafaia, o pastor David Eldridge estava coberto do artigo 5º da CF, e por essa razão, não deveria ser investigado - Fotos: Reprodução/Redes Sociais

O pastor Silas Malafaia, da ADVEC, defendeu a liberdade de culto do pastor norte-americano David Eldridge, que está sendo investigado por LGBTfobia, após pregar que “todo homossexual tem uma reserva no inferno”, no Congresso Geral da União de Mocidades das Assembleias de Deus de Brasília (UMADEB).

A pregação ocorreu durante um dos dias do evento, que aconteceu no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, em Brasília/DF, no Carnaval, em fevereiro. O trecho desta pregação chegou a viralizar em várias mídias sociais com muitos xingamentos vindos dos internautas.

Como resultado, um inquérito para apurar o caso foi aberto pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin) da Polícia Civil do Distrito Federal.

No culto do último domingo (05/03), Silas Malafaia entrou em defesa do colega. Silas lembrou do artigo 5º da Constituição para lembrar aos fiéis que o pastor estava coberto por ela, e por essa razão, não deveria ser investigado por qualquer fala feita durante o congresso em questão.

Os incisos do artigo 5º citados por Silas foram: inciso 4: é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.

Inciso 6: é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias.

Inciso 8: ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei.

Em seguida, Malafaia leu 1º Coríntios 6.10-11 para confirmar que a fala do pregador norte-americano teve respaldo bíblico.: “Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o Reino de Deus”.

“Isso é: essa cambada toda aqui vai para o inferno. Eu não ponho ninguém no céu, e não ponho ninguém no inferno. É a Bíblia, o livro que eu creio que, segundo minha convicção religiosa, é quem diz quem é que vai para o inferno”, pregou Silas.

Segundo o pastor, o versículo bíblico é claro ao dizer que efeminados e sodomitas vão para o inferno. Em sua visão, são os homens que têm relações com outros homens.

O pastor também pregou Apocalipse 21.8 que diz: “Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos que se prostituem, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte”.

Malafaia prossegue dizendo que as pessoas podem denunciá-lo ao Ministério Público por essas falas, mas afirmou que está baseado no artigo 5º, incisos 4, 6 e 8. “Não tem ministro do STF, não tem senador, não tem deputado, não tem governador e nem presidente, ninguém neste país pode impedir a pregação religiosa da nossa convicção”, declara. Assista:

RECEBA NOTÍCIAS DO PORTAL DO TRONO DIRETAMENTE DO WHATSAPP OU TELEGRAM!

+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página