in

The Send Brasil é acusado de doutrinar jovens evangélicos politicamente

O site The Intercept Brasil publicou um vídeo na última quarta-feira (12), através da coluna “AfroCrente” de Jackson Araújo, tecendo diversas críticas ao evento “The Send Brasil”, realizado em São Paulo e Brasília no mês de fevereiro deste ano.

Publicidade

O projeto contou com a participação de líderes evangélicos do país, e nomes de peso na música gospel, como Ana Paula Valadão, Isaias Saad, Fernandinho e Aline Barros, e reuniu cerca de 140 mil pessoas. O presidente Jair Bolsonaro e a ministra Damares Alves também participaram.

O Intercept afirmou que o The Send é um projeto de religiosos norte-americanos que planejam “catequizar” os jovens brasileiros para que eles sigam um viés político que agrade a igreja, numa espécie de doutrinação ideológica.

“O The Send é um movimento em massa organizado, que tem o objetivo de influenciar a política dos países onde atua”, diz Jackson Araújo.

The Send Brasil aconteceu em São Paulo e Brasília.
The Send Brasil aconteceu em São Paulo e Brasília.

Ele acusou o movimento de não ter uma preocupação religiosa, mas meramente política em suas finalidades, para fazer com que as ideologias da extrema-direita dominem os países americanos, beneficiando, com isso, os governos de direita desses locais.

Ele cita, inclusive, que o presidente Bolsonaro e a ministra dos Direitos Humanos participaram do evento, como forma de aproveitar a exposição política do projeto para se aproximarem mais dos jovens.

Henrique Krigner, que é um dos líderes do The Send Brasil, decidiu responder as denúncias, e afirmou que elas são infundadas.

“O The Send é um coletivo de ministérios internacionais, não só norte-americanos, mas internacionais, que tem o objetivo de despertar uma geração. Os caras se uniram e falaram: ‘Nós precisamos tirar o jovem cristão do banco da igreja e colocá-lo na sociedade para fazer a diferença”, explica.

PUBLICIDADE

Nota: Na descrição do projeto no perfil oficial, no entanto, lê-se que o The Send é um “movimento colaborativo” formado por 7 ministérios, todos dos EUA, nenhum brasileiro: (Circuit Riders, Lou Engle, Christ For All Nations USA, YWAM, Lifestyle Christianity, Jesus Image e Dunamis Moviment). (Veja abaixo):

Perfil oficial traz ministérios americanos como líderes do The Send.
Perfil oficial traz ministérios americanos como líderes do The Send.

Henrique afirmou também que pretende sim influenciar políticos, mas que isso não é restrito apenas a essa classe.

“O The Send não nasceu para influenciar [só] políticos. Nós queremos influenciar políticos, médicos, engenheiros, enfermeiros, pais de família, mães de família, professores… a gente quer influenciar a sociedade como um todo, porque isso é um mandamento: fazer discípulos de todas as nações”, acredita.

Sobre a participação do presidente jair Bolsonaro e da ministra Damares Alves, ele admitiu que convidou esta última, mas que o presidente apareceu no evento por livre e espontânea vontade.

“O presidente Jair Bolsonaro não foi convidado extraoficial, nem oficialmente, para estar no The Send, muito menos para subir ao palco. Ele foi lá por livre e espontânea vontade e é óbvio que a gente não fecharia o portão do estádio na cara dele. Agora, a ministra Damares Alves foi ‘terrivelmente’ convidada para estar lá e eu tenho muito orgulho de ter feito parte desse processo”, considera.

Assista abaixo o vídeo com as denúncias do The Intercept Brasil, e em seguida o vídeo com a resposta do The Send:

Publicidade

Policial salva mulher que queria pular de ponte após ler a Bíblia pra ela

Polícia investigará Sara Winter por divulgar nome de criança grávida