Arqueólogos encontram cidade de Siló, onde Josué dividiu a Terra Prometida

Dirigindo pela rota conhecida como o Caminho dos Patriarcas em Samaria, o coração do Israel bíblico, você chegará à antiga Shiloh, ou “Siló”.

Escavação encontra Siló. Foto: CBN News.
Escavação encontra Siló. Foto: CBN News.

A Bíblia diz que este é o lugar onde Josué distribuiu a Terra Prometida para as 12 tribos de Israel. É também onde o Tabernáculo do Senhor permaneceu por mais de 300 anos.

O Dr. Scott Stripling dirige as escavações em Siló. Junto com dezenas de voluntários, ele e sua equipe estão entrando na história.

“Bem-vindo à antiga Shiloh”, disse. “Esta é a primeira capital do antigo Israel e é um local sagrado porque o Mishkan estava aqui, o Tabernáculo, onde as pessoas vieram se conectar com Deus.”

“Estamos lidando com pessoas reais, lugares reais, eventos reais”, continuou ele. “Isto [Siló] não é mitologia. As moedas que escavamos hoje – estamos falando de moedas de Herodes, o Grande, Pôncio Pilatos, Thestos, Félix, Agripa o Primeiro, Agripa o Segundo. A Bíblia fala sobre essas pessoas. Nós temos a imagem aqui mesmo “.

Essa “imagem” inclui um muro fortificado construído pelos cananeus. A equipe encontrou um tesouro de artefatos lá, que inclui moedas antigas e cerca de 2.000 peças de cerâmica por dia.

Abigail Leavitt, uma estudante da Universidade de Pikesville, serve como registrador de objetos.

“Adoro sujar as mãos. Adoro cavar a terra. É a minha coisa favorita”, disse ela à CBN News.

Enquanto pessoas de todas as idades são voluntárias na escavação, os principais condutores são estudantes como Abigail.

“É cansativo e exaustivo, mas é muito gratificante”, disse ela. “É emocionante encontrar coisas antigas – coisas que estão esperando há milhares de anos.”

Leavitt diz que a Bíblia ganha vida no chão.

“Eu leio a Bíblia de forma totalmente diferente do que antes de vir para cá. Conheço os lugares, sei o que está acontecendo. Eu a entendo mais profundamente, especialmente onde arqueólogos anteriores afirmaram que não existiria. Mas quando cavamos aqui, descobrimos que tudo combina. Você lê na Bíblia. Você cava na terra e ali está”, disse ela.

Stripling disse: “A arqueologia não se propõe a provar ou refutar a Bíblia. O que queremos fazer é iluminar o texto bíblico, o pano de fundo do texto, para colocá-lo em uma cultura do mundo real, que chamamos de verossimilhança,” ele explicou.

“Então, temos uma antiga descrição literária. Agora, temos uma cultura material que combina com isso”, continuou ele. “Chris, você está sentado onde Samuel, Eli e Hannah e essas pessoas sobre as quais lemos, vieram como nós, precisando de respostas, precisando se conectar com Deus, precisando de perdão.”

O arqueólogo diz que eles se aprofundam no passado e encontram lições para o presente.

Tadeu Ribeiro
[email protected]