in

‘Futuro de Flordelis na Câmara será discutido próxima semana’, diz Maia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-DJ), afirmou que pretende se reunir já nessa próxima semana com a Mesa Diretora da Casa e com líderes dos partidos representativos para decidir o futuro da deputada federal Flordelis (PSD-RJ).

Publicidade

Acusada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) de planejar a morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, Flordelis já está sendo alvo de pelo menos um pedido de cassação de seu mandato na Câmara dos Deputados, por quebra de decoro parlamentar.

Nesta quarta-feira (26), Rodrigo Maia disse que deverá receber maiores detalhes do processo por parte do Ministério Público, antes de tomar qualquer decisão sobre a deputada, o que deve acontecer de forma colegiada.

“Estamos aguardando o recebimento da documentação pelo Ministério Público do Rio. E na próxima semana, vou fazer reunião da Mesa e depois uma reunião com os líderes. Vamos discutir o assunto e ver de que forma a Câmara quer encaminhar esse assunto (…) Vou reunir a Mesa, vou reunir os líderes e vamos decidir em conjunto. Eu não posso decidir tudo sozinho, não é o melhor caminho”, considera.

O PSD, partido de Flordelis, já anunciou a suspensão de sua filiação ao partido, que pretende expulsá-la da sigla.

PUBLICIDADE

O MP-RJ afirmou em nota que, apenas pelo fato de Flordelis ter imunidade parlamentar, ela não foi presa na última segunda (24) , quando 5 filhos dela tiveram as pris~es decretadas pela justiça.

O art. 53 da Constituição diz que os parlamentares só poderão ser presos em flagrante e se o crime for inafiançável. Flordelis está sendo acusada de homicídio qualificado, que é um crime hediondo, e portanto inafiançável, mas prisão da deputada não pôde acontecer pelo fato da medida ser cautelar, e não em flagrante.

A deputada federal ainda não se pronunciou publicamente sobre as acusações.

Publicidade

Thammy processa o pastor Silas Malafaia: ‘O que ele fez é crime’

Pastor Everaldo é preso por desvios na saúde do Rio em meio à pandemia