in

George Floyd levou o amor de Jesus à sua comunidade e legado de luta

O mundo está assistindo a um movimento histórico nos Estados Unidos, após um policial branco usar de força desmedida contra um homem civil preto, que morreu após ter seu pescoço pressionado pelo joelho da autoridade.

Publicidade

Mas a história de George Floyd, a vítima nesse caso, vai muito além da sua cor de pele, ou dos protestos em diversas cidades americanas e de outros países que se uniram contra o racismo escancarado dos Estados Unidos.

Antes de se mudar para Minneapolis, para uma oportunidade de emprego através de um programa de trabalho cristão, o homem de 46 anos passou quase toda a sua vida na Terceira Ala, historicamente negra, onde era conhecido como “Big Floyd” (já que media mais de 2 metros de altura), e era considerado um “OG” (Uma espécie de líder comunitário).

Cristão, ele desenvolveu ministérios em busca da erradicação das mazelas sociais presentes em seu bairro e cidade, segundo o jornal Christianity Today.

Floyd falou em quebrar o ciclo de violência que viu entre os jovens, e usou sua influência para trazer ministérios externos à área, com o fim de fazer discipulado e divulgação, particularmente no projeto habitacional de Cuney Homes, conhecido localmente como “os tijolos”.

“George Floyd era uma pessoa de paz enviada pelo Senhor que ajudou o evangelho a avançar em um lugar em que nunca morei”, disse Patrick PT Ngwolo, pastor da Igreja Ressurreição de Houston, que prestava serviços em Cuney.

“A plataforma para alcançarmos esse bairro, e as centenas de pessoas que alcançamos até aquele momento, foi construída nas costas de pessoas como Floyd”, disse ele ao Christianity Today .

PUBLICIDADE

A igreja expandiu seu desenvolvimento de políticas na área, realizando estudos bíblicos e ajudando com compras e transporte de pessoas para consultas médicas. George Floyd não apenas fornecia ajuda nesse acesso e proteção social; ele deu uma mãozinha enquanto a igreja realizava cultos, torneios de basquete, churrascos e batismos na comunidade.

“Ele ajudou a empurrar a banheira do batismo, entendendo que as pessoas tomariam uma decisão de fé e seriam batizadas bem ali no meio dos projetos. Ele achou isso incrível”, disse Ronnie Lillard.

Os policiais envolvidos na morte de George foram demitidos, e o que pressionou o pescoço de Floyd com o joelho foi formalmente acusado de homicídio culposo (quando não há intenção de matar), e segue preso.

Manifestantes atearam fogo na delegacia de Minneapolis, e estão nas ruas de vários estados americanos desde então, em confronto direto com a polícia. Historicamente, a Casa Branca desligou suas luzes na noite desse domingo (31), enquanto manifestantes se concentravam em frente ao prédio.

O ato trágico que culminou na morte de George Floyd culminou também em um movimento inflamado contra o racismo, e o tornou mártir do movimento black no país, que exclama: BLACK LIVES MATTER (VIDAS PRETAS IMPORTAM).

Publicidade

AO VIVO: Assista ao Festival VillaMix Gospel Online

Filho da cantora gospel Eyshila se declara para namorado em aniversário