in

Igreja Católica pune padre de Assis (SP) que celebrou casamento gay

O Padre Vicente Paula Gomes, da Diocese de Assis (SP), foi penalizado pela Igreja Católica, pelo fato dele ter celebrado um casamento homoafetivo em 2019.

Publicidade

O religioso estava afastado de suas funções eclesiásticas desde dezembro do ano passado, mas agora recebeu sua punição definitiva: voltará às suas funções, mas está proibido de celebrar casamentos de qualquer natureza, inclusive héteros, pelo prazo de 1 ano.

Com isso, Padre Vicente não poderá celebrar matrimônios até dezembro de 2021, e também está, segundo o documento assinado pelo Bispo de Assis, proibido de dar entrevistas ou utilizar qualquer meio de comunicação por três anos, assim como se abster de “exprimir opiniões sobre a doutrina da Igreja Católica no que se refere ao Sacramento do Matrimônio”.

Na celebração do casamento gay em 2019, Padre Vicente abriu sua fala afirmando que família não é uma instituição composta apenas por um homem e uma mulher.

PUBLICIDADE

“Achamos que lar basta ter um homem e uma mulher. Família não é só isso. Nuclear uma família significa criar condições para uma vida digna. Por isso, é com alegria que estou aqui”, disse.

No documento assinado por Dom Argemiro de Azevedo, a Igreja Católica sustenta que Padre Vicente trouxe “escândalo” com o ato: “Enquanto sacerdote e pároco, sua má conduta na ação celebrativa incentivou a cultura gay, gerando escândalo”, diz o texto.

Não houve denúncia de nenhum fiel, segundo a igreja, que explicou que abriu uma investigação pelo fato do casamento gay celebrado ter repercutido nas redes sociais. Padre Vicente, ainda segundo a instituição, se disse arrependido de seus atos e aceitou todas as medidas correicionais da igreja. Procurado, ele não quis se manifestar.

Publicidade

Pastor pagava para limpador de piscina ter relações com sua esposa

Pastor Márcio Pôncio está em guerra contra apóstolo e surfista de Sarah