Conecte-se conosco

Mais Conteúdo

Pastor brasileiro na Ucrânia: “Putin é cercado por pessoas demoníacas”

Publicado

em

O missionário e pastor batista brasileiro Anatoliy Shmilikhovskyy e o presidente da Rússia, Vladimir Putin - Foto: Redes Sociais

O missionário e pastor batista brasileiro Anatoliy Shmilikhovskyy, que vive na Ucrânia, em transmissão ao vivo nas suas redes sociais, falou da situação que está vivendo no país.

“Eu trago notícias boas e ruins. A notícia boa é que estamos vivos e estamos bem”, disse ele. Segundo o religioso, o presidente da Rússia, que ordenou a invasão naUcrânia, Vladimir Putin, está cercado por pessoas demoníacas.

“Putin é cercado por pessoas demoníacas. Ao redor dele há shamãs, como costumamos chamar essas pessoas por aqui. Eles gostam muito de números”, disse Anatoliy e continuou:

“A guerra na Geórgia começou em 08.08.08 e na Ucrânia em 22.02.22. Para eles, isso significa muita coisa. Então, entendemos que para Mr. Putin é uma coisa espiritual. O que está no coração dele é algo espiritual”, contou em transmissão ao vivo.

Em seguida, ele disse que para combater isso, os cristãos devem batalhar com “armas espirituais”.

“Mas, nós crentes sabemos que, contra as armas espirituais do maligno, também devemos batalhar com armas espirituais. Por isso, a oração é um dos momentos mais poderosos”, explicou o missionário dizendo que sua filha mais nova tem orado pelo presidente russo.

“Ela está pedindo para que o coração dele seja bom. Nós entendemos a oração da criança. Para nós, isso parece impossível, mas o que é impossível para Deus?”, disse.

Anatoliy Shmilikhovskyy disse que “Nunca viu tantos ucranianos orando como agora”.

“Às vezes, não entendemos por que Deus nos permite passar por esses momentos, mas, eu nunca vi tantos ucranianos orando como estão orando agora. Nunca vi na minha vida”, disse ele.

Depois citou o apoio recebido do Brasil, Estados Unidos, Europa, Polônia, Alemanha, Chile, e muitos outros lugares. O missionário agradeceu e pediu para que todos continuem orando.

“Nós não queríamos falar de guerra e batalha, pois nosso papel é propagar o Reino de Deus”, lamentou, mas mostrou que esse é o contexto que a Igreja na Ucrânia está vivendo.

Segundo ele, no momento em que gravou o vídeo, ele disse que estava num lugar seguro, no interior, após conseguir fugir da cidade de Lviv, uma das primeiras a ser atacada por soldados russos.













+ Acessadas da Semana

Você não pode copiar o conteúdo desta página