in

“Vamos construir igrejas nas pessoas, vamos ser igreja”, pede pastor

O pastor Alessandro Vilas Boas esteve em Londres e gravou um vídeo para alertar a igreja evangélica no Brasil sobre a complexidade da pandemia do novo Coronavírus.

Publicidade

O religioso afirmou que se surpreendeu com o que viu na Inglaterra: “No Reino Unido no mercado não tem comida, a galera está apavorada, nas ruas não tem ninguém, os pontos turísticos estão todos vazios”, descreve.

Alessandro fez uma crítica sobre como as igrejas atuais se preocupam em construir templos e investir em estrutura ao invés de pessoas, o que faz com que não se sustentem em tempos de crises como a que estamos vivendo.

“Irmãos que essa estação que a gente está passando no planeta terra nos leve a perceber que a gente precisa dar ênfase nas casas, dar ênfase nas pessoas, dar ênfase em discipulado, dar ênfase na igreja viva e eficaz, na igreja que construímos dentro das pessoas e não para as pessoas”, afirma.

PUBLICIDADE

O pastor pediu que os cristãos estivessem atentos para a prudência que deve existir na igreja como um todo.

“Vamos persistir em oração, vamos liberar cura, vamos ser cidadãos, mas vamos pensar nisso. Vamos construir para baixo. Antes de dar cinco passos para frente, temos que dar dez passos para trás; antes de construir 40 andares para cima, a gente constrói 80 para baixo; vamos construir igreja nas pessoas, vamos ser igreja”, disse. Assista abaixo o vídeo na íntegra:

O balanço das secretarias estaduais de saúde no Brasil contabilizavam 1.960 casos até o fim do dia 23, com 34 mortes em todo o país (30 no estado de São Paulo e 4 no Rio de Janeiro). Todos os estados e o Distrito Federal têm infectados pelo Covid-19. As recomendações principais é que as pessoas fiquem em casa, higienizem as mãos com água e sabão ou álcool em gel (70%), e além disso evitem aglomerações e contatos íntimos, como beijos, abraços e aperto de mãos.

Publicidade

Lutero incentivou isolamento social na época da Peste Bubônica da Europa

Cantora gospel testa positivo para Covid-19: ‘É real, devemos levar a sério’