Curso prático de exorcismo em Cuiabá é criticado por evangélicos

A expulsão de demônios, ou exorcismo, sempre foi um tema controverso dentro da Igreja. Enquanto alguns acreditam que a prática é genuína, outros veem nesses atos uma ferramenta pirotécnica que alguns líderes religiosos utilizam para conseguir chamar a atenção dos fieis. Igrejas como a Universal, por exemplo, chegam a transmitir as sessões em seus programas na TV, frequentemente criticados por teólogos e outras lideranças religiosas.

Pastores que lançaram curso de prática em exorcismo.

Agora, uma igreja em Cuiabá está no centro de uma polêmica, após oferecer um curso de “prática” para expulsar demônios. A denominação em questão é a Igreja Evangélica Casa do Senhor, e o curso presencial acontecerá em sua sede no dia 14 de abril. De acordo com o pastor Alex, um dos palestrantes, o evento está sofrendo preconceito por meio de alguns cristãos, mas ele assevera que não irá desistir do projeto.

“É uma área que recebe muito preconceito, e nós estaremos fazendo um modelo dinâmico de palestra que vai ser sem meios termos, na prática. Nós vamos falar da preparação que uma pessoa tem que ter para realizar esta obra, o pós, de como tem que se defender depois em oração e jejum, e o principal, como que faz o negocio acontecer”, disse ele.

Ainda segundo o pastor, na metodologia adotada, serão feitas análises sobre passagens bíblicas em que Jesus Cristo realiza algumas sessões de exorcismo, além de serem exibidos vídeos próprios dos pastores, em que realizam os mesmos procedimentos de libertação: “Nós não iremos usar ‘cobaia’, mas no final iremos fazer uma oração para aqueles que desejam. Não vai ser um show, não vai ser uma zombaria, ninguém vai filmar. E podem vir 20 pessoas, podem vir 10 ou pode não vir nenhuma, vai depender da pessoa”, explica.

As críticas, óbvio, apareceram. Nas redes sociais é crescente o número de cristãos que estão falando contra o projeto, e dizem que é mais um show teatral para se juntar recursos financeiros. O pagamento para participar do curso, inclusive, é o principal ponto criticado. Tendo em vista que, embora seja para “todas as pessoas”, quem quiser assistir a aula prática deverá desembolsar R$ 50. Serão ofertadas 400 vagas ao todo. O pastor esclarece que o dinheiro será usado para o “Coffee break” e para o “material de anotação” que cada aluno deverá receber.

“Qualquer curso teológico, tanto da igreja católica, do espiritismo, igreja evangélica, cobra-se pela questão do espaço, do coffe break, da apostila que vai ser dada. E estão fazendo esta bagunça falando que estamos cobrando para expulsar, mas não é isso. É um curso de libertação diferente”, assegurou.

Tadeu Ribeiro
[email protected]
Com informações do Olhar Direto.