Cantora gospel Michelle Nascimento nega que tenha traído ex-noivo

A cantora gospel Michelle Nascimento envolveu-se em uma polêmica semana passada. Menos de um mês após ser pedida em casamento pelo seu ex-noivo, Pastor Lucas Guimarães, ela foi acusada por ele de tê-lo traído após chegar bêbada de uma noitada em Paris, onde os dois estavam. Lucas pediu Michelle em casamento em frente à Torre Eiffel.

Cantora gospel Michelle Nascimento e o ex-noivo, Lucas Guimarães.

Ao Portal do Trono, a cantora gospel negou que tenha feito tais coisas, e confirmou que acionou o judiciário para provar que é inocente: “As acusações do Lucas terão que ser provadas na justiça”, declarou. Ela procurou a polícia de Portugal, onde se encontrava no momento das revelações, e prestou queixa-crime contra o ex. Os advogados da cantora também devem registrar queixa-crime na polícia brasileira, onde o caso deverá ser julgado. Michelle Nascimento o acusa de difamação e injúria.

Lucas Guimarães, no entanto, mantém suas denúncias contra a cantora gospel. Ele afirma que ela chegou no apartamento onde estavam hospedados, por volta das 6h40 da manhã, alcoolizada, e que ela teria confessado que o teria traído. Por meio de uma carta aberta, o ex-noivo de Michelle disse que tem todas as provas do que alega, e que irá apresentá-las em juízo: “Calúnia só é calúnia quando não se pode provar. Repito! Eu posso provar!”, afirmou.

De forma técnica, o crime que pode ter incidido no caso é de difamação (quando se diz que alguém praticou um ato não muito honroso ou bem-visto pela sociedade) e injúria (quando se fere a honra que a pessoa sente de si mesma), mas não calúnia, já que esta pressupõe que foi imputado a outra pessoa uma atitude criminosa, o que não é o caso, já que trair o noivo e se embriagar não configura crime. Mesmo assim, as penas são de 6 meses a 1 ano de detenção, mais multa.

Como os dois alegam serem os donos do direito, e que possuem as provas do que alegam, caberá à justiça brasileira definir qual dos dois está com a razão. Não há data para julgamento, já que o caso está em estágio inicial para instauração de inquérito.

Tadeu Ribeiro
[email protected]