Negro e baixinho: Cientistas chegam a retrato fiel de Jesus Cristo

A imagem de Jesus Cristo sempre foi descrita como sendo a de um homem branco, de olhos azuis e cabelos longos compridos. Mas segundo especialistas essa figura está muito longe de representar como o messias era fisicamente de fato, de acordo com a BBC.

Retrato europeu de Jesus e retrato mais fiel possível

Esses traços característicos, exibidos em filmes e imagens católicas, representava como a idade média pensava ser o Filho de Deus, por conta de uma visão mas eurocêntrica, que acreditava que para ser filho de Deus ele deveria ser branco e possuir características que o assemelhava aos europeus.

Só que era exatamente o contrário. Ao que tudo indica, Jesus era negro e tinha características muito diferentes, como por exemplo o cabelo crespo e curto, os olhos castanhos e uma estatura média/baixa. Os padrões impostos pelos europeus católicos diziam mais do preconceito que eles tinham do que propriamente o que a realidade falava. Um Jesus negro? Impossível de se admitir para a Igreja Católica da época e seus seguidores. Mas era isso mesmo.

Pesquisadores cruzaram dados genéticos de pessoas que viveram na época e região que Jesus nasceu, cresceu e morreu, e chegaram a uma conclusão sobre o retrato mais fiel possível dele. “Os judeus da época eram biologicamente semelhantes aos judeus iraquianos de hoje em dia. Assim, acredito que ele tinha cabelos de castanho-escuros a pretos, olhos castanhos, pele morena. Um homem típico do Oriente Médio”, disse Richard Neave, especialista forense em reconstruções faciais, que desenvolveu uma imagem de Jesus utilizando modelagem 3D.

A ideia de que Cristo possuía um padrão mais europeu pode não ser importante para a própria fé cristã, já que a aparência física não é o que define o sentimento da crença, mas sim a sua essência. No entanto, ela demonstra como o preconceito por questões étnicas era forte na época, e também como o é até hoje. Mesmo sabendo que o que se mostra da aparência de Jesus está longe da realidade, a Igreja continua o retratando como se loiro dos olhos azuis fosse, passando uma ideia de que ser baixo, negro e de cabelo crespo não fosse suficiente para retratar uma divindade, o que é um ledo engano.

Para aquele que quebrou padrões desde seu nascimento, quando veio ao mundo através de uma pobre virgem, e foi acolhido em uma manjedoura de animais, foi carpinteiro e se sujeitou às correções de seus pais terrenos, meros mortais, sua característica física não poderia ser outra senão a demonstra padrões que, até hoje, são marginalizados por algum tipo de preconceito da sociedade. Se víssemos Jesus como Ele de fato era, possivelmente teríamos menos intolerância com aquilo que é diferente, pois Ele veio para nos ensinar justamente a amarmos nosso irmão pelo que ele é em essência, não por sua cor ou o liso de seu cabelo.

Tadeu Ribeiro
[email protected]