Bolsonaro é criticado por líder da Renascer em Cristo na Marcha Para Jesus

Aconteceu na última quinta (31) em São Paulo mais uma edição da tradicional Marcha Para Jesus, promovida pela Igreja Renascer em Cristo, do apóstolo Estavam Hernandes. Dentre algumas personalidades do mundo evangélico, como Silas Malafaia e Magno Malta, o pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro chamou os holofotes para si.

Bolsonaro e Magno Malta no palco da Marcha Para Jesus 2018.

Ele foi convidado ao palco, mas preferiu não falar muito, e disse que estava ali mais para ouvir: “Vim aqui mais para ouvir do que falar. Que o Senhor abençoe e proteja as nossas famílias. O Brasil acima de tudo, e Deus acima de todos”, disse, arrancando aplausos dos presentes no evento.

Mas se por um lado alguns presentes o exaltavam ao cargo de chefe da República, outros não gostaram nada disso. Um deles foi o próprio organizador da Marcha Para Jesus e líder da Renascer, Estevam Hernandes. Ele declarou a jornalistas da Folha de S. Paulo que Bolsonaro precisa adaptar seu discurso, pois ele não condiz com o que a Bíblia e o evangelho pregam sobre amor e tolerância: “É preciso ser tolerante com as diferenças. Não significa que eu concorde com a pessoa, com o que ela pratica, mas que eu deva ter um amor que seja superior às diferenças”, afirmou.

Questiona-se se o candidato terá, com isso, o apoio da Renascer em Cristo, uma das maiores denominações evangélicas do país, a seu lado na corrida presidencial deste ano, por conta dessa crítica de seu líder e fundador.

E essa não foi a primeira crítica a Bolsonaro. Outros líderes e influentes no meio evangélico também enxergam uma estridente dissidência entre o discurso do candidato à presidência com os valores cristãos. Para evitar maiores desgastes, Bolsonaro estaria sendo instruído a não participar de debates ou dar declarações polêmicas por enquanto, com o fim de esconder seu desconhecimento técnico sobre áreas fundamentais, como a economia.

Há o interesse, inclusive, de que o senador Magno Malta seja o vice de Jair, que o classificou com o “vice dos sonhos”. Malta, no entanto, disse que por enquanto sua decisão e tentar se reeleger no Senado.

Tadeu Ribeiro
[email protected]