Pirataria é pecado?


O mercado fonográfico está um verdadeiro caos de vendas desde o início da última década. A derrocada do comércio de produtos originais é maior a cada ano, e uma coisa vem em mente: Pirataria é pecado?

Em uma pesquisa realizada aqui no Portal Diante do Trono, a pergunta “Você acha que pirataria é pecado?” obteve os seguintes resultados: 74,77% dos leitores disseram que sim, é pecado. 13,67% disseram que a pirataria não é pecado, e 11,61% não soube responder. A votação recebeu 1.602 votos.

Quando compramos algum DVD pirata, por exemplo, estamos, primeiramente, praticando um roubo de produção. Estamos utilizando a voz e imagens, composições, todo o trabalho de produção, gastos com iluminação, palco, cenografia, impostos que são pagos ao ministério da cultura, entre outras coisas, sem dar ao autor de tudo isso sua devida remuneração.

Dizem que os cristãos não podem cobrar para levar o evangelho, e nisso não há mentira alguma, mas alguns pontos tem de ser analisados. Se não há dinheiro circulando, se não há pagamento pelo trabalho, não há trabalho. É necessário capital para gravar um CD. Se alguns dizem que custa caro comprar um álbum original, muito mais caro é produzir esse material.

“Ai daquele que edifica a sua casa com iniqüidade, e os seus aposentos com injustiça; que se serve do trabalho do seu próximo sem remunerá-lo, e não lhe dá o salário;” Jeremias 22:13.

Façamos um teste simples: imagine que você trabalha um mês inteiro, gerando produtividade para empresa onde você trabalha, se dedica, se esforça, faz seu trabalho muito bem feito. Aí outro colega da sua empresa vêm, aproveita que você já fez o trabalho mais pesado, pega todos os atalhos possíveis, e executa um trabalho similar ao seu, só que de forma mais rápida, se aproveitando de tudo o que você fez de forma árdua, antes dele. Chega no final do mês, o seu chefe te diz que não poderá te pagar porque o seu colega fez quase a mesma coisa, de forma mais rápida e custando bem menos dinheiro. Como você reagirá a isso?

Tenho plena certeza que você ficaria indignado com tamanha injustiça. Porque, de fato, você estaria sendo injustiçado. Se você reparar bem, o mesmo acontece no ramo da pirataria. Você se esforça, trabalha pesado para conseguir gravar um álbum, vêm um camelô, grava o seu arquivo que custou milhares de reais (as vezes até milhões) para ser produzido, em um CD que custará, no máximo, 0,50 centavos, sendo vendido a 1,50; 2,00. E ainda por cima, nenhum vintém será destinado a você que produziu e gastou tanto para levar o álbum para o público.

É muito fácil dizer que pirataria não é pecado quando nós não somos prejudicados. Afinal, a maioria de nós não está perdendo nada comprando CD pirata, ao contrário, estamos ganhando 10,00, 12,00, as vezes até muito mais, em economia, comparando o preço pirata ao preço do original. Mas se nos colocássemos no lugar das gravadoras, ministérios e produtores, veríamos que a pirataria é um grande mal deste século.

Vale lembrar que além de tudo isso, quem compra pirataria está financiando o crime organizado, já que a maioria dos CD’s e DVD’s vendidos são provenientes de “bocas” em favelas, especializadas em crime e drogas.

Dizer que compra produtos piratas porque é mais barato também não cola. Só porque você não tem dinheiro suficiente para comprar um produto original, não lhe dá o direito de roubar, indiretamente, a propriedade intelectual de outro. Seria a mesma coisa de você entrar em uma loja e roubar um Iphone porque é muito caro e você não tem dinheiro para comprar um honestamente. Sem contar que o preço dos produtos, principalmente cristãos, caíram bastante nos últimos anos. CD’s que antes eram vendidos por 22, 25 reais, são comprados hoje por 15, 16 reais, no seu lançamento. DVD’s que antes custavam 39, 40 reais, hoje são comprados por 23 reais.

No entanto, vivemos em uma sociedade que aceita a pirataria como algo normal. Como a falsificação foi uma explosão nos últimos anos, não tivemos tempo de nos preparar contra isso. Está em todo lugar. Quem nunca baixou um CD da internet ilegalmente? Quem nunca copiou uma foto de algum fotógrafo que encontrou na internet, sem autorização? Quem nunca baixou um programa para o seu computador de forma ilegal? Quem nunca comprou um óculos de sol, roupa, tênis, perfume ou qualquer outro utensílio pirata? Conquanto que se é assim, vamos, pelo menos, começar a mudar nossa forma de ver as coisas nesse assunto. Se não dá para erradicar de vez a pirataria do nosso cotidiano, vamos pelo menos amenizar sua influência no nosso consumo, evitando-a ao máximo, até que evitá-la se torne um hábito corriqueiro.

“Eis que o salário que fraudulentamente retivestes aos trabalhadores que ceifaram os vossos campos clama, e os clamores dos ceifeiros têm chegado aos ouvidos do Senhor dos exércitos.” Tiago 5:4

Tadeu Ribeiro
tadeuribe[email protected]