Pr. Lucinho diz que cobra cachê em eventos para “filtrar” público

pastor-lucinhoO Pr. Lucinho, do núcleo de jovens da Igreja Batista da Lagoinha, é conhecido como “cheirador de Bíblia”, devido a um episódio onde o pastor influenciou adolescentes a “cheirarem” a Bíblia, numa alusão ao uso da cocaína. Pela ideia, Lucinho quis mostrar que em vez de drogas os jovens deviam usar as escrituras, mas seu ato não foi bem quisto por diversos líderes e fieis.

Agora ele se envolveu em outra polêmica: em um culto na Igreja Batista da Lagoinha ele tentou justificar o porquê de cobrar a entrada de pessoas em eventos gospel como o Confrajovem feito por ele e por outros artistas. Segundo ele, cobrar em eventos assim “é a única forma de não deixar que o evento se torne uma complicação”, pelo fato de irem muitas pessoas em eventos gospel. Ele explicou que não pode selecionar diretamente quem vai ao culto, por isso utiliza a cobrança de ingresso/inscrição/taxa para “filtrar o público”, já que assim só irá quem puder pagar, o que já elimina boa parte dos fieis. O vídeo é de 2013, mas viralizou agora na internet.

Ele ainda tentou jogar a culpa para os próprios fieis, que reclamam de não ter onde estacionarem ou que reclamam por que o espaço está muito cheio: “Então ao cobrar nós estamos dando a pessoa que tá pagando a oportunidade dela saber que ela vai entrar, que vai dar tudo certo.”

“Ficamos muito assustados com a repercussão nas redes sociais falando sobre o cover (artístico), então a gente tá pedindo pra vocês pagarem esse valor simbólico”, disse ele, que ainda comparou o culto com um show do Thalles, dizendo que num evento dele é pago um valor muito maior “para ver só uma pessoa”, concluiu.

No vídeo, Pr. Lucinho diz que esse “filtro” é adotado também por não haver espaço suficiente para acomodar todas as pessoas no Confrajovem, que ocorria na Lagoinha e só comportava 6 mil pessoas. O sonho do pastor era realizar o evento em um lugar maior, no entanto, na edição 2015 do evento o local foi mudado para o Mineirinho com mais de 15 mil jovens, mas a taxa de inscrição foi mantida, no valor de 80 reais (estacionamento R$ 30).

A visão do pastor é contestada por muitos, que enxergam uma certa segregação social nos eventos, já que só entra no culto quem pode pagar. E você, o que acha?

Tadeu Ribeiro
[email protected]